Monólogo ‘A Ira de Narciso’, do uruguaio Sergio Blanco, usa autoficção e desmistifica egolatria

Protagonizado por Gilberto Gawronski a versão brasileira de "A Ira de Narciso" é destaque na programação do Sesc Ribeirão Preto na Mostra In-Só-Litos

Gilberto Gawronski interpreta a versão brasileira de ‘A Ira de Narciso’ (Foto: Otávio Dantas/Divulgação)
PUBLICIDADE

A Ira de Narciso é um monólogo autoficcional do consagrado dramaturgo uruguaio Sergio Blanco. Gilberto Gawronski, sob direção de Yara de Novaes encabeça a montagem brasileira idealizada por Celso Curi que também assina a tradução do texto.

PUBLICIDADE

Seguindo a linha de auto-ficção de Sergio Blanco, A ira de Narciso é um monólogo em primeira pessoa que relata a permanência do autor na cidade de Ljubljana, onde é convidado a dar uma palestra sobre o famoso mito de Narciso. Tendo como ambientação única o luxuoso quarto 228 do hotel onde o autor está hospedado, o texto apresenta os últimos preparativos desta conferência ao mesmo tempo que nos conta sobre os diferentes encontros com um jovem esloveno que acabara de de conhecer.

A partir da descoberta de uma mancha de sangue no carpete, o relato da viagem profissional e dos encontros amorosos dá lugar a uma intriga policial obscura e inusitada. Alternando sutilmente narração, palestra e confissão, a “Ira de Narciso” é uma jornada fascinante e arriscada que conduz o espectador num confuso labirinto do eu, da linguagem e do tempo.

O espetáculo estreou no Festival de Curitiba em abril de 2018, e desde então fez mais de 30 apresentações em três temporadas na cidade de São Paulo, festivais importantes como FIT Rio Preto, Tempo Festival, Fentepp e Mix Brasil e pelo interior do estado de São Paulo. O sucesso em relação ao público e a critica renderam a Gilberto Gawronski uma indicação ao Prêmio Shell SP 2018 por sua atuação em A Ira de Narciso.

Sobre o autor e escritor Sergio Blanco

Sergio Blanco é um dos mais importantes dramaturgos latino americanos contemporâneos. De origem uruguaia, está radicado em Paris desde 1998 para dedicar-se a escrita dramática. Formado em filologia e arte teatral o artista realizou diversos trabalhos como diretor. Em 1993 ganhou o Prêmio Florencio Revelación e uma bolsa para estudar direção de teatro na Comédie Française em Paris.

Na Comédia Nacional do Uruguai, estreou seus principais trabalhos como eles estrearam Kiev, Tebas Land, A Ira de Narciso e El Bramido de Dusseldorf. Por seus textos recebeu importantes prêmios como Prêmio Nacional de Dramaturgia do Uruguai e o Prêmio Internacional Casa de las Américas. Desde 2008 integra a gestão da Sociedade de Artes Contemporâneas COMPLOT com Gabriel Calderon, Martin Inthamoussú, Mariana Percovich e Ramiro Perdomo. Atualmente prepara sua nova criação Cuando pases sobre mi tumba que estreará em 2018, em Montevideo Seus textos já foram traduzidos em português, francês, Inglês, grego e japonês

Serviço

  • A Ira de Narciso
  • Data e horário: Sábado, 23 de novembro, às 20h30
  • Local: Teatro Minaz – Rua Carlos Chagas, 273
  • Classificação: 18 anos
  • Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada para aposentado, pessoas com mais de 60 anos, pessoas com deficiência e acompanhante, ID Jovem, estudante e servidor da escola pública com comprovante). R$ 12 (credencial plena, trabalhador do comércio, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).